Follow by Email

sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

Egoísmo

Eu ainda vivo muito o "eu" e não o outro. 
Um egoísmo meu. Não vejo-me noutro 
Lugar além de mim. Não vou além do meu corpo nu. 
Não sei conjugar o pronome pessoal na Segunda pessoa do singular, tu. 

Eu tenho bons preceitos e boas atitudes 
Mas estas inebriam almas, como os alaúdes. 
São postais belos, mas habitam apenas as intenções. 
Não há em mim, arriscadas batalhas pelo que quero, transposições. 

Vivo na felicidade? Será que é sincero, válido, ser feliz só? 
Tenho a esperança sempre, o pensar positivo, mas vivo no pó. 
Faíscas, fagulhas, pontas de areia, moléculas, células e uma imensa dó. 

Choro sem sofrer, sem reclamar, sem afinco no lutar, sem desatar o nó 
Que me amarra em mim. Sou eu quem crio esta minha materialidade 
Ao não afastar o medo, o egoísmo e a fácil desculpa de que esta é a minha verdade. 

                    Alexandre Tambelli

Nenhum comentário:

Postar um comentário